SEMINAR PORNOSUSPENSE

10 set

TEXTO DE ABERTURA DE SEMINAR PORNOSUSPENSE (ERRO Grupo)

Bem vindos ao Seminar Pornosuspense. Hoje vamos apresentar a vocês alguns elementos pesquisados no Projeto Salsichão no Boquerão Tainha na Prainha que tem como cerne de pesquisa indagações sobre a presença cênica, suas possíveis mediações e extensões e construções de frestas, deslocamentos e rupturas no espaço. Como podem ver, estamos no prédio do Itaú, assim, esses aspectos serão explorados de acordo com as possibilidades deste ambiente.  E também dentro do que foi possível investigar nesses 06 meses sobre temas bastante amplos e porque não, um tanto megalomaníacos.

Tentamos trazer para este espaço institucional alguns elementos da rua, local onde costumamos agir, e também foi nele que boa parte de nossa pesquisa foi realizada. Andando por locais pouco prováveis e também óbvios das cidades de Curitiba, São Paulo e Florianópolis, a fim de encontrar frestas para a ação artística, experimentando a rede de relações que as cidades estabelecem com seus espaços físicos e simbólicos.

Como sabem este programa especifico do Itaú Cultural Teatro, é um programa de compartilhamento entre dois grupos e apesar de ambos utilizarem estratégias similares para a abordagem dos conceitos desta pesquisa, nossa apresentação aqui será dividida primeiramente com a apresentação do Seminar Pornosuspense do ERRO Grupo e seguirá com o El Gran “Cabernet” Porno, Cabaret Porno, da Companhia Silenciosa.

Tendo em vista que o espaço urbano não é unicamente a rua, buscamos trazer para cá também o ambiente do hotel, que em nossas viagens, além de servir como local de estadia, serviu como berço para uma indagação a respeito do deslocamento das privacidades para um ambiente amorfo, nada individual. E por conseqüência sobre a facilidade em nos adaptarmos a níveis cada vez menores de individualização e senso de exposição. Ao mesmo tempo em que os objetos procuram seduzir pelo apelo ao indivíduo, a massificação dos desejos, a ordem das aparências está exposta. Tornar o mundo perfeito é dar-lhe acabamento, é encontrar para ele uma solução final.

O encontro do Salsichão e da Tainha, ao contrário do imaginado, não foi nada romântico, o intercâmbio de fluídos proposto pelo programa Rumos Itaú Cultural Teatro é também um projeto que tem inerente não só a fluência das trocas, mas também o confronto, o embate entre formas de fazer arte e de entender os conceitos esboçados no projeto. O intercâmbio teve que lidar com a exposição dos complexos de cada grupo, agendas, as dificuldades na conciliação de um plano de trabalho. Muitos estranhamentos e conflitos estiveram presentes nesta relação pessoal e profissional, de enlaçamento de dois corpos grupais em busca do gozo, sob o olhar atento de uma instituição.

Ao tratarmos da extensão da presença cênica, foi inevitável pensarmos sobre as redes sociais e virtuais, que tanto alteraram e alteram o que conhecemos enquanto espaço público e espaço privado. Através das redes sociais é possível adentrar na privacidade do outro, naturalizando ver e sermos vistos, naturalizando uma problemática já bem antiga, que se resume nas análises de Michel Foucault e se expande para idéia de Sociedade do Espetáculo, proposta por Guy Debord, onde ser visto é o que se almeja. Tudo que aparece é bom, e o que é bom aparece. E a cada dia nos sentimos mais e mais livres para adentrar espaços que há pouco tempo atrás eram privados. E para que outros entrem o nosso espaço privado, somos incitados a aparecer e a deixar-nos ver. Nas extensões de presença aqui em questão tudo se torna informação e o que não pode ser traduzido em informação não é real. O perfeito pode ser obra de cálculo. 

Alterada a forma de contato e comunicação entre as pessoas através da proliferação das possibilidades de agir no mundo virtual, nesta pesquisa também nos vimos diante do paradoxo do prazer. Somos constantemente seduzidos pela idéia de prazer, e o prazer sempre está ligado intimamente aos 05 sentidos humanos, e simultaneamente, na virtualidade, somos reduzidos a ver e a escutar. E fazer ver, através de diversas mediações, um mundo que já não é diretamente apreensível, nos levando à abstração generalizada dos fatos, das relações e dos sentidos.

Já no início da comunicação dentro do projeto, Salsichão e Tainha pensavam muito em comida. No prazer carnal de comer. Na realidade indiscutível de comer. Na presença dos alimentos nas bocas, no estômago, no intestino e de sua passagem pelos órgãos sexuais. Assim, os dois fantasiaram por meses nas duas iguarias, o Salsichão e a Tainha, passando das preliminares para a consumação sexual implícita no imaginário destes dois alimentos. Um tão natural e o outro processado, em uma combinação escrachada, explícita e obscena. E a obscenidade destes dois elementos começou a fazer sentido dentro da pesquisa que estavam inseridos, penetrando nas frestas, criando rupturas em todos os orifícios do corpo, dos espaços, rompendo os limites entre estar dentro e fora, entre a presença e suas mediações. A obscenidade traduziu a forma como a presença se dá em suas extensões e mediações.

Para Salsichão e Tainha não havia mais romance, não havia mais teatro, apenas a real consumação dos meios, onde os órgãos sexuais, o ato sexual, não eram mais “postos em cena”, e sim, grosseira e imediatamente, dados a ver, devorados, absorvidos e reabsorvidos no mesmo ato.  Quando a pesquisa sobre tais conceitos chegou ao clímax, dadas imediatamente enquanto realidade concreta, se fixou na obscenidade. Não havia mais representação, apenas a impossibilidade da representação da qual a pornografia é um exemplo dado.

Tentamos aqui apresentar de forma didática algumas frestas e possibilidades de explorar através da ação cênica, as problemáticas que acabo de citar, mas também buscamos um espaço para compartilhar com vocês os caminhos percorridos no encontro de Salsichão e Tainha. Do erro e do silêncio.

A mediação da presença investigada neste encontro não afastava mais nada… A maldição que Salsichão e Tainha enfrentavam era a de estarem super aproximados e de tudo ser imediatamente existente como realidade. O espetáculo não é apenas o que é dado para ser visto, o que parece, mas não é, e sim o que parece ser e ao mesmo tempo é, obscenamente, real. Para Salsichão e Tainha não havia mais romance, não havia mais teatro, apenas a realidade demasiadamente real da consumação.

O espetáculo não é um conjunto de imagens, mas uma relação social entre pessoas, mediadas por imagens.

No mundo re-invertido, o verdadeiro é um momento do falso.

Mais informações: http://www.errogrupo.com.br/v4/pt/2011/09/10/registros-seminar-pornosuspense/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: